quinta-feira, 26 de junho de 2014

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Em mais um evento em alusão aos nossos 10 anos. Será realizada a Mesa Comemorativa pelos 10 anos da Biblioteca Comunitária Solano Trindade", No dia 13/06 ás 11hs no Palco Literário (Praça do Pacificador), com Écio Salles, coordenador da FLUPP, Binho Cultura, coordendor da FLIZO, Pedro Gerolimich, coordenador do LIVRO DE RUA e o Prof. Antonio Carlos, fundador da Biblioteca Comunitária Solano Trindade e mediando Henrique Silveira, da Casa Fluminense. É um momento importante de nossa história, e gostaríamos de ver nossos amigos, colaboradores, apoiadores e parceiros presentes.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Crianças fazendo mediação de leitura entre si.
¨A leitura é uma porta aberta para um mundo de descobertas sem fim.¨
Sandro Costa

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Caros Amigos,desde 28 de maio a 8 de junho está acontecendo no Centro Convenções SulAmérica,o Salão FNLIJ do Livro para Crianças e jovens.Entres os dias 2 e 4 de junho foi realizado Seminário ¨Bartolomeu Campos de Queirós¨Argentina foi o país homenageado em 2 de junho,a FNLIJ trouxe uma comitiva de 16 argentinos pra o 16º Salão do livro,sendo eles especialistas,ilustradores e representantes das instituições ALIJAC(Associação de Literatura Infantil e Juvenil da Argentina) e CEDILIJ(Centro de Difusão e Investigação da literatura Infantil e juvenil) .O seminário debateu junto à profissionais e interessados da área da educação e cultura,a importância da leitura de livros de qualidade no contexto político e social,contando com o apoio do Instituto CeA.
Literatura Indígena:A bola da vez foi tema geral,abordado em 3 de junho.As mesas foram constituída de representante da Fundação de Livros Indígenas Infantis,Fundação Nacional de Livros Infantis e Juvenis,Instituto CeA,ilustradores e escritores(a) indígenas.O debate levou em consideração a sabedoria dos povos indígenas mostrando a diversidade cultural,falando de uma ancestralidade atualizada.Chamando a atenção para a preservação da diversidade biológica e da educação.
No dia 4 de junho as(os) representantes da FNLIJ e escritores(as) que formaram as mesas abordaram principalmente a promoção e produção do livro fazendo ligação com a relação com aproximação livro-criança,sintetizando a formação do adulto pra promover essa aproximação.
A FNLIJ promove o encontro de profissionais do livro e da leitura e demais interessados para refletir sobre o avanço e recuos no campo da leitura,da literatura e do livro para o público infantil e juvenil,ocorridos nos últimos 40 anos,com o objetivo de contribuir para a formação de leitores e a garantia do direito à leitura de livros por meio de bibliotecas.

sábado, 10 de maio de 2014

Caros amigos,
Este ano estamos completando 10 anos de serviços prestados à causa do Livro e da Leitura em nossa cidade. Para comemorar esse ano especial e a data alusiva à Abolição da Escravatura, o Conselho Municipal do Direitos do Negro, Promoção Étnica e Igualdade Racial de Duque de Caxias em parceria com a Secretaria de Cultura e Turismo de Duque de Caxias promoverão um encontro Poético para marcar essa data de importante reflexão. Contamos com a presença de todos.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Convite "Articulação Comunitária e Educação Enganjada", oficina em parceria com a Secretaria Municipal de Educação em comemoração pelos nossos 10 anos.

Temos o prazer de convidar a todos para um dos primeiros eventos em comemoração dos nossos 10 anos. Em Parceria com a Secretaria Municipal de Educação e a Sala de Professores Paulo Freire será ministrado pelo Prof. Antonio Carlos de Oliveira,  nosso fundador, a oficina "Articulação Comunitária e Educação Engajada", baseada em nossa história buscando inspirar muitas outras.

Os interessados encaminhem um e-mail para saladoprofessor@smeduquedecaxias.rj.gov.br, contendo o nome desta Oficina, a TURMA almejada, seu nome completo, escola ou instituição de origem, função que desempenha, data de nascimento, telefone residencial e número de telefone celular.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

10 anos na luta pela Cultura em Duque de Caxias.

Caros amigos,
No ano passado não demos a devida atenção ao nosso site. Mas 2014 é de festa para nós, e para todos que contribuíram para que chegássemos onde chegamos.
Logo depois do Carnaval começam as comemorações pelos nossos 10 anos. Ao longo do ano teremos eventos que resgatarão a História da Biblioteca Comunitária Solano Trindade. Amigos, apoiadores, desafios, vitórias e tudo que marcou esses 10 anos de vitórias. 
Quero adiantar algumas coisas para todos ficarem na expectativa: teremos nossa primeira publicação, num livro reunindo poetas de nossa cidade, seminários, almoços, o tradicional Arraiá Literário de 10 anos, o Dia Nacional da Leitura, apresentações musicais de artistas de nossa cidade e muito mais. 
E pra começar bem estamos lançando nosso logo comemorativo desenhado por Marcio Bunys um dos artistas urbanos mais respeitados do Brasil. Vamos postar papéis de parede, fiquem a vontade pra copiar e compartilhar. Em breve divulgaremos o calendário comemorativo. Paz a todos!


sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Chá Literário com a escritora neide Barros

No dia 08 de agosto de 2013, recebemos a ilustre visita da escritora neide Barros, autora do livro"Receitas da vovó para a vida", onde ela fez a mediação de seu livro para nossas crianças e seus responsáveis. Foi um motivo de muita alegria para nossas crianças conhecerem uma escritora que é moradora de nossa cidade.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Mediação de Leitura e Informática

Todas terças e quintas em horários de 09:00 às 11:30 e 15:00 às 17:00 h, acontece na biblioteca mediação de leitura e informática, com crianças e adolescentes de 06 à 18 anos.
Um projeto com o apoio do Instituto C&A para formação de leitores.
Com: oficinas, leitura compartilhada e muito mais.
Venha fazer a inscrição de seus filhos, amigos e parentes.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Casas Fluminense "Seminário Pensando a Metrópole" na UERJ/FEBF.

Com a tarefa de levantar propostas para a superação da violência na região com as maiores taxas de homicídios no estado do Rio de janeiro, em especial a violência contra a Juventude Negra, foi realizada a oficina de Segurança Cidadã na Baixada Fluminense. A oficina aconteceu no dia 24 de maio, na UERJ/FEBF, e marca a criação do Núcleo de Segurança Cidadã da Casa Fluminense.
A oficina foi coordenada por Dudu do Morro Agudo e Henrique Silveira e se dividiu em dois momentos. Primeiro uma apresentação do Programa Juventude VIVA pelo Artur Sinimbu, Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental da SEPPIR, via Skype. “O Plano Juventude Viva constitui uma oportunidade histórica para enfrentar a violência, problematizando a sua banalização e a necessidade de promoção dos direitos da juventude. Além das ações voltadas para o fortalecimento da trajetória dos jovens e transformação dos territórios, o Plano busca promover os valores da igualdade e da não discriminação, o enfrentamento ao racismo e ao preconceito geracional, que contribuem com os altos índices de mortalidade da juventude negra brasileira”. Infelizmente por problemas de banda larga, a transmissão foi encerrada no início da apresentação.

Em seguida, José Marcelo Zacchi apresentou um panorama sobre a segurança pública no Rio e os desafios da segurança Cidadã. “O Estado do Rio conseguiu diminuir sua taxa de homicídios de cerca de 40 mortes por 100.000 habitantes ao ano para 26. A instalação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) representa um avanço, pois deslocou a lógica do confronto com a favela para uma ação de proximidade, prezando pela segurança do território e seus moradores”. No entanto, os problemas persistem, pois a redução média esconde dinâmicas muito distintas de acordo com os territórios. A instalação da UPPs nas áreas centrais da capital mantém em segundo plano as atenções à maior parte do território e da população da metrópole, e às regiões onde se concentram as maiores taxas de homicídio do Estado hoje, e onde elas vêm recentemente crescendo, em especial a Baixada Fluminense. Na sua conclusão José Marcelo afirmou que “uma política de segurança efetiva somente é possível com uma forte articulação entre a sociedade civil e o poder público, através da garantia de direitos e do fortalecimento democrático dos territórios.”

Na segunda parte da oficina, Dudu e Henrique levantaram duas perguntas para o público: Como mobilizar o governo e a sociedade civil para questão da violência contra a Juventude Negra? Como mapear os territórios com maior vulnerabilidade social para a juventude negra?
Mauro Amoroso, professor da FEBF, Falou sobre a naturalização da violência policial pela população. “As pessoas acham que é normal um policial efetuar disparos contra traficantes em frente a escola. É necessário reconstruir nossa visão sobre a violência”, disse Mauro.
Priscila Oliveira, moradora de Belford Roxo e estudante da FGV, falou sobre a importância do diálogo com a juventude, principal vítima da violência. “Precisamos chegar nesse jovem e descobrir o que ele quer”, disse Priscila. “Reconhecer as diferenças, construir uma visão compartilhada de futuro e apoiar trajetórias de estudo e trabalho são componentes importantes na construção dos vínculos com essa juventude”, completou Henrique Silveira.

Sobre a proposta de mapeamento, Wellington Conceição, falou do mapa afetivo, uma estratégia utilizada na Agência de Redes para a Juventude. “Pedíamos para os jovens mapear os locais onde eles se divertiam. Isso aumenta o conhecimento e o vínculo do jovem com o território”, disse Wellington.
O professor Antonio Carlos , diretor da Biblioteca Municipal Gov. Leonel Brizola, falou sobre a transformação negativa que o bairro Cangulo está sofrendo. “Nosso bairro nunca viveu uma situação tão violenta. Os traficantes que migraram do Rio de Janeiro transformaram o cotidiano dos moradores e o confronto entre traficantes de facções rivais tomou uma proporção que não existia no bairro.” Ao final, Antonio convidou a Casa Fluminense para realizar atividades nos bairros mais distantes. “Não basta realizar reuniões somente no centro de Caxias. Temos que ir para o 2° e 3° distrito discutir com os moradores que sofrem diariamente com a violência”, concluiu.

Em seguida, Dudu falou que o Enraizados realizará Ações Culturais em Nova Iguaçu para mobilizar os jovens e iniciar o mapeamento das comunidades com maior vulnerabilidade social. “O Enraizados já trabalha com arte, rap, dança e grafiti. Levaremos essas e outras ações para envolver os jovens nas ações do Programa Juventude VIVA”. O Enraizados está desenvolvendo em parceria com a Casa Fluminense uma metodologia para mapear os territórios e seus equipamentos públicos. “Queremos produzir informações sobre os territórios, levantar as demandas da juventude e discutir com o governo quais serão as ações desenvolvidas pelo Programa Juventude VIVA em Nova Iguaçu”, concluiu o Dudu.

Finalizando a atividade, Henrique falou sobre os próximos passos do Núcleo de Segurança Cidadã e os desdobramentos da oficina. “Temos duas coisas para fazer: primeiro precisamos montar um mapa dos bairros com as mais maiores taxas de homicídios, por município, da Baixada Fluminense. Precisamos identificar o TOP 10 dos bairros mais violentos e perigosos para a Juventude Negra. Para essa tarefa a Casa Fluminense vai articular com instituições parceiras que podem produzir essas informações”. A segunda ação é o mapeamento #BaixadaVIVA, uma série de crônicas e reportagens sobre esses bairros. “As crônicas sobre os bairros de D. de Caxias serão publicadas no site lurdinha.org e as crônicas de Nova Iguaçu serão publicadas no siteenraizados.com.br. Essas reportagens podem ser produzidas por qualquer pessoa e quem quiser postar nesses sites é só entrar em contato com a gente. Também pode publicar em outros sites, mas é importante que as reportagens possuam a hastag #BaixadaVIVA para identificar que fazem parte do mapeamento”, concluiu Henrique.

Seminário de Formação do Pólo de Leitura da Rede de Bibliotecas Comunitárias de Duque de Caxias


Nos dias 27, 28 e 29 o Pólo de Leitura da Rede de Bibliotecas Comunitárias de Duque de Caxias, apoiadas pelo Instituto C&A estiveram reunidas para o Seminário de Formação interna. O Encontro foi coordenado pela Assessora Pedagógica Neide Almeida. No dia 27, no PROFEC, em Jardim Primavera a pauta ficou concentrada em leituras literárias em conjunto e análise de obras. No segundo dia na Biblioteca Comunitária de Vila Araci, tivemos um momento mais prático de análise de espaço e organização de acervo. No último dia na Biblioteca Comunitária Solano Trindade recebemos a visita da escritora Ninfa Parreiras, que presta consultoria ao Instituto C&A, em sua participação contribuiu com orientações de como escolher um acervo adequado para as bibliotecas do pólo. 


Simone, Valdir, Bárbara e Antonio (atrás) Vilma, Lady, Neide, Cyntia, Andreia, Daiane, Chocolate e Lídia
 









Encontro do Pólo na Biblioteca Comunitária da Vila Aracy (Parada Angélica)
 
Encontro do Pólo na Biblioteca Comunitária Solano Trindade, com a presença da Assessora Pedagógica Neide Almeida e da escritora Ninfa Parreiras.


sábado, 25 de maio de 2013

Mediação de leitura - todas as terças e quintas - manhã e tarde

O Pólo de Leitura da Rede de Bibliotecas Comunitárias de Duque de Caxias, a qual nossa biblioteca compõe, Tem como meta principal a mediação de leitura através de atividades lúdicas para desenvolver o amor pela leitura.
Em mais quatro bibliotecas comunitárias de Duque de Caxias temos trabalhado para fazer de nossas comunidades referência em políticas publicas na área de livro e leitura.
Em nossa biblioteca a mediação é oferecida todas as terças e quintas de 10 às 12 e 14 às 16, as inscrições estão abertas gratuitamente para todas as idades. Maiores informações 3041-1266, ou em nossa secretaria na Rua AK lote 14 quadra 48 - Cangulo.
O projeto tem patrocínio do Instituto C&A.
Paz a todos!